5 complicações da hemodiálise: Causas, sintomas e dicas essenciais de prevenção

A hemodiálise é uma intervenção que salva vidas quando os rins não estão mais funcionando, mas pode causar efeitos colaterais e complicações significativas. Muitos dos problemas estão relacionados à criação do acesso de diálise, por meio do qual o sangue é retirado do corpo e limpo em uma máquina de diálise. Outras complicações são causadas pelo desequilíbrio de fluidos e eletrólitos no corpo e pelo impacto que isso tem sobre a pressão arterial e a função cardíaca.

A prevenção de complicações da hemodiálise requer um manejo cuidadoso por parte do seu nefrologista (especialista em rins), da equipe de diálise e de você como paciente. Conhecer as causas e os sintomas pode garantir que o tratamento seja administrado rapidamente se ocorrer uma complicação, estendendo ainda mais sua vida, saúde e bem-estar.

Visão geral

A hemodiálise é a forma mais comum diagnosticar. Trata-se de remover o sangue de um ponto de acesso em uma veia e, em seguida, limpar o sangue de toxinas e fluidos em excesso antes de devolvê-lo ao corpo.

A hemodiálise pretende replicar a função dos rins, mas é uma ciência inexata. Se a velocidade do procedimento for muito agressiva, ou o indivíduo em tratamento não aderir às restrições dietéticas ou hídricas adequadas, a homeostase (equilíbrio) da química corporal pode ser prejudicada, causando efeitos colaterais e complicações.

A criação de um ponto de acesso artificial no corpo também apresenta um risco, pois o sistema vascular fechado agora está aberto. A infecção é a preocupação mais comum, mas não a única.

Aqui estão apenas algumas das complicações que um nefrologista deve estar atento (e tentar prevenir) se você estiver fazendo hemodiálise.

Fonte: Reprodução: Pinterest

Hipotensão

Hipotensão é o termo médico usado para descrever a pressão arterial baixa. Essa é uma ocorrência comum durante a hemodiálise, na qual a dose e a velocidade do procedimento podem causar a remoção muito rápida de fluidos do sangue.  Ao fazer isso, a pressão interna nos vasos sanguíneos invariavelmente cairá, às vezes de forma abrupta. Isso pode causar sintomas como:

  • Desconforto abdominal
  • Bocejando ou suspirando
  • Náusea
  • Vômito
  • Cãibras musculares
  • Inquietação
  • Ansiedade
  • Tontura ou desmaio
  • Pele úmida
  • Visão embaçada

Uma queda acentuada da pressão arterial também aumenta o risco de coágulos sanguíneos. Se não for tratada, a formação de coágulos pode exigir cirurgia adicional para reparar o ponto de acesso e, em alguns casos, causar derrame, convulsões e danos ao coração.

Seguir as restrições de fluidos recomendadas pode ajudar. Ao limitar a ingestão de líquidos, a quantidade extraída durante a diálise diminuirá e qualquer queda na pressão arterial será minimizada.

Anormalidades eletrolíticas

A hemodiálise não remove apenas as toxinas e o excesso de líquidos do corpo, mas também muitos dos eletrólitos de que o corpo precisa para funcionar. Na maioria dos casos, isso não será uma preocupação se você seguir uma dieta adequada.

No entanto, se você tem diabetes ou toma bloqueadores dos receptores da angiotensina (ARBs), mesmo a adesão à dieta pode não ser suficiente para prevenir uma condição conhecida como hipocalemia.

Hipocalemia

A hipocalemia é um nível anormalmente baixo de potássio no sangue. O potássio é um dos eletrólitos mais importantes que o corpo usa para regular o equilíbrio de fluidos, contrações musculares e sinais nervosos. Quando os níveis de potássio caem excessivamente, isso pode afetar todas essas funções, causando:

  • Fadiga
  • Fraqueza
  • Constipação
  • Cãibra muscular
  • Palpitações cardíacas

Se a hipocalemia for extrema – definida como níveis abaixo de 2,5 milimoles por litro (mmol / l) – pode causar complicações potencialmente graves, incluindo a ruptura do tecido muscular, íleo (intestino preguiçoso), arritmia cardíaca (frequência cardíaca irregular), insuficiência respiratória, paralisia e fibrilação atrial ou ventricular.

Para a maioria das pessoas, o risco de hipocalemia é baixo se seguirem a dieta prescrita e o plano de tratamento. Mesmo aqueles com risco aumentado provavelmente não experimentarão nada além de hipocalemia leve se o fizerem.

Infecção

A infecção é um risco onipresente em pessoas em hemodiálise. A criação de acesso para diálise fornece às bactérias e outros microorganismos a oportunidade de entrar na corrente sanguínea. Se uma infecção ocorresse, os sintomas normalmente incluiriam:

  • Edema local, vermelhidão, calor e dor
  • Flatulência (o acúmulo de pus sob a pele)
  • Febre e / ou calafrios

Os antibióticos são normalmente usados ​​para tratar a infecção. A heparina, um tipo de diluente do sangue, pode ser usada para prevenir coágulos sanguíneos e isquemia de membros. Manter as práticas ideais de higiene e saneamento pode reduzir significativamente o risco de infecção.

É importante evitar esbarrar ou bater no acesso de diálise, pois isso pode causar sangramento, principalmente se o enxerto ou fístula for novo. O sangramento aumenta o risco de infecção, anemia e aneurisma vascular (protuberância da parede arterial).

Sobrecarga de fluido

A sobrecarga de líquido, também conhecida como hipervolemia, ocorre quando os rins não conseguem mais remover líquido suficiente do corpo. 7 Se a máquina de diálise não estiver calibrada corretamente, a hipervolemia pode persistir, apesar do tratamento.

Os sintomas de hipervolemia incluem:

  • Dor de cabeça
  • Cólicas abdominais e inchaço
  • Falta de ar
  • Inchaço dos pés, tornozelos, pulso e rosto
  • Pressão alta
  • Ganho de peso

Aderir às restrições de líquidos e monitorar sua ingestão de líquidos pode reduzir significativamente o risco de hipervolemia.

Se a sobrecarga persistir apesar da restrição de fluidos (ou se desenvolver logo após a hemodiálise), informe seu nefrologista para que ajustes em seu plano de tratamento possam ser feitos.

Se não for tratada, a hipervolemia pode causar problemas cardíacos, incluindo insuficiência cardíaca congestiva, arritmia cardíaca e cardiomegalia (aumento do coração).

Síndrome de desequilíbrio de diálise

A síndrome do desequilíbrio da diálise (DDS) é uma condição neurológica incomum que geralmente afeta pessoas que acabaram de iniciar a hemodiálise. Acredita-se que seja a resposta do corpo a um procedimento considerado anormal, resultando na liberação de citocinas inflamatórias e outras substâncias químicas inflamatórias que fazem o cérebro inchar (edema cerebral).

Os sintomas de DDS incluem:

  • Fraqueza
  • Tontura
  • Nausea e vomito
  • Dor de cabeça
  • Cãibras musculares
  • Mudanças no comportamento ou estado mental

Geralmente, é uma complicação de curta duração que se resolve à medida que o corpo se adapta ao tratamento. A solução salina intravenosa às vezes é usada para elevar a pressão arterial junto com uma injeção de manitol (um diurético) para aliviar o inchaço e a pressão ao redor do cérebro.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hemodi%C3%A1lise

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *